Câmara de vereadores de Santa Maria da Boa Vista aprova PL que cria o Fundo Municipal da Educação

0
35

Na manhã desta sexta-feira (26), foi convocada uma reunião extraordinária na Câmara de vereadores de Santa Maria da Boa Vista. Na pauta, um projeto de lei número 15/2021, do executivo, que cria o Fundo Municipal de Educação (FME).

A votação foi marcada por bate-boca e polêmicas entre os favoráveis e contrários à forma e que foi discutido. A bancada de oposição formada pelos vereadores Jorge do Futuro, Pica-Pau, ambos do REPUBLICANOS, Binha do Mercado (PSB), Valter Firmino e Hrubesch Jericó, esses últimos do PT, apresentaram requerimento para adiar a discussão e obter mais informações sobre o projeto, no entanto, o requerimento não foi aceito pelo presidente da câmara, vereador Gildo Gás (PSB), que decidiu manter a reunião. Os vereadores citados destacaram que não são contra o projeto, mas enfatizaram que deveria ser adicionada uma emenda aditiva deixando claro alguns pontos que os edis alegam não haver clareza. A emenda foi descartada através de votação.

Após muitos embates, o presidente da casa, Gildo Gás, anunciou a suspensão da sessão por 15 minutos, porém, a sessão retornou uma hora depois e deu início a votação que levou a aprovação do projeto de lei.

Votaram a favor:                                                      Votaram contra:

Anderson Harlem;                                                    Binha do Mercado;

Agemiro;                                                                    Jorge do Futuro;

Bebeto do Maracujá;                                               Hrubesch Jericó;

Ênio Oliveira;                                                             Pica-Pau;

Juninho;                                                                     Valter Firmino

Sargento Geraldo Gomes;

Yuri Duarte

O vereador Valter Firmino ressaltou que o projeto foi enviado à Câmara sem tempo para discutir melhor, e que deveria haver algo que deixasse mais seguro os direitos dos servidores, o que foi reforçado pelo presidente do SINDBOA, Nilton César Jericó. “Não fomos chamados para discutir o projeto, nem o prefeito, nem a Câmara nos convocou, fomos surpreendidos”, disse Nilton, que afirmou ainda através de nota que a prefeitura teria acertado durante reunião que a reunião na câmara seria adiada, o que não aconteceu.

O líder do governo, Anderson Harlem, ponderou, no entanto, que o projeto não traz nenhum prejuízo para os servidores da secretaria de educação.