Sobre falas polêmicas, Wenderson Batista dispara: “vereadores têm imunidade parlamentar; se eu tiver que falar, eu vou falar”

0
154
Foto: Iara Bispo/ Nossa Voz

Diante da última polêmica envolvendo o vereador Wenderson Batista (Pé de Galo), onde ele afirmou em sessão da Câmara de Vereadores que “ONG’s e Sindicatos deveriam acabar” e a manifestação de organizações repudiando sua fala, o parlamentar esteve presente no programa Nossa Voz desta terça-feira (28) para dar sua versão dos fatos.

O vereador afirmou que esta fala, que gerou tanta polêmica, foi feita baseada em uma discussão de um projeto de Lei que queria tornar determinada ONG em utilidade pública do município. “O que eu quis dizer é que naquele projeto de lei que estava em discussão, no calor da emoção, onde cada um na Câmara defende seu ponto de vista, houve uma falta realmente de contextualização minha, pois eu respeito todas as pessoas e instituições que são voltadas ao bem da sociedade, porém, ninguém venha querer dizer que não existe ONG e Sindicato que fazem coisas erradas. Eu não vou contra os que trabalham de forma correta. Então naquele momento eu deixei em aberto, saiu de forma generalizada, mas essa não foi minha intenção e se a carapuça caiu pra alguém, paciência, ”, explicou.

Wenderson também foi questionado sobre outro discurso polêmico onde chamou a Compesa de “organização criminosa” e que o chefe seria o Governador de Pernambuco. O edil afirmou que, por ter imunidade parlamentar, pode utilizar estes termos na tribuna. “O que eu falei foi proposital para chegar mesmo aos ouvidos do governador. Se a Compesa arrecada mais de 10 milhões, só investe 3,4 milhões e tá chegando informação de que eles estão fazendo rodízio sem avisar, paciência. Existem os poderes e nós somos o Parlamento, a forma que o cidadão se pronuncia é diferente do de um vereador. A lei dá imunidade parlamentar a nós, o que a gente fala, de denúncia,inclusive, o legislador não tem obrigação nem de dizer quem foi a fonte. As pessoas tem que distinguir as posições”, afirmou.

Por fim, ‘Pé-de-galo’ destacou que não pede desculpas pelo que falou na Câmara e que esta não será a última polêmica envolvendo seu nome. “Não é a primeira polêmica, não será a última. E quem me conhece sabe, quando eu tiver que falar, eu vou falar. Vou continuar com minha postura. Não cheguei onde cheguei mentindo”, finalizou.