SAAE intensifica fiscalização contra ligações clandestinas de água em Juazeiro e faz alerta

Foto: Ascom PMJ/ SAAE

As ligações clandestinas de água estão entre os maiores problemas que afetam a distribuição em diversas cidades do país. Em Juazeiro, a situação não é diferente, mas o Serviço de Água e Saneamento Ambiental (SAAE) vem atuando fortemente para coibir essa prática, que é considerada crime no Brasil.

Ligações clandestinas – conhecidas como “gatos” – prejudicam a família abastecida e toda a comunidade. Essa prática de adulterar o sistema de fornecimento de água é enquadrada no crime de furto de bem móvel e a pessoa flagrada pode ser presa. Além disso, é aplicada uma multa, que precisa ser paga pelo infrator.

Somente no mês de janeiro deste ano foram identificadas 210 ligações clandestinas, mas a estimativa do SAAE é que o município tenha mais de 10 mil. Quando as equipes identificam “gatos”, a pessoa responsável é notificada e tem 10 dias para formalizar sua defesa, porém, as multas são altas: R$ 400,00, a primeira vez; R$ 800,00, na segunda vez, R$ 1.200,00 na terceira vez, e assim, sucessivamente.

A diretora-presidente do SAAE, Josilene Alixandre, ressalta que muitos fazem as ligações clandestinas para burlar a cobrança das tarifas pelo consumo mensal da água e acabam prejudicando toda a comunidade, o meio ambiente e em alguns casos podem contribuir para a contaminação da água, o que pode acarretar em problemas de saúde não só das famílias abastecidas pelas ligações irregulares, como de toda a comunidade.

Denúncias

Para a gestora, é importante que a população colabore e denuncie. “Se alguém souber de uma ligação clandestina denuncie, pois estará contribuindo para melhorar o abastecimento de água de toda a cidade. É só ligar para o número 3614-9800 e informar o local. O denunciante não será identificado”, orienta a gestora que conclui: “vale destacar que aquele usuário que se encontrar em situação irregular e voluntariamente procurar o SAAE poderá fazer a negociação e a regularização de sua situação”.

Compartilhe:

Ouça nosso podcast: