Polícia Federal investiga se Marília Arraes usou recursos de caixa 2 em campanha

0
19

A deputada federal Marília Arraes (PT) está sendo investigada pela Polícia Federal por um suposto uso de recursos oriundos de caixa 2 na campanha à Prefeitura do Recife, em 2020. A deputada negou qualquer irregularidade e citou campanhas feitas contra ela e sua família, citando também law fare após criticar o presidente da República.

A movimentação acontece após a PF produzir, em janeiro deste ano, um relatório sobre supostas conversas de André de Souza, marido de Marília Arraes, com Sebastião Figueiroa. De acordo com a Polícia Federal, no diálogo, o companheiro da parlamentar pediria um empréstimo no valor de R$ 1 milhão, dividido em duas parcelas.

O pedido teria ocorrido em novembro, entre o primeiro e segundo turno da campanha pela prefeitura, disputada com João Campos (PSB). Marília Arraes defendeu o marido, negando relações com o empresário, e associou o nome de Figueiroa aos socialistas.

Posicionamento de Marília Arraes sobre a investigação da PF. Confira, na íntegra, nota enviada pela equipe da parlamentar:

“- O Sr. André Luiz jamais teve qualquer tipo de relação com o Sr. Sebastião Figueiroa, sequer o reconheceria pessoalmente se estivessem no mesmo ambiente e assim que tomou conhecimento deste inquérito, por meio de seus advogados, requereu que fosse feita uma perícia no material alvo da investigação, para que se comprove que não é a sua voz a que está nos áudios ali constados;

– Devido à falta de celeridade na investigação, novamente por meio de seus advogados, o Sr. André Luiz se prontificou a arcar com os custos necessários para a execução da perícia solicitada;

– Ora, se o Sr. André Luiz não fosse completamente inocente diante destes fatos, jamais estaria interessado na celeridade da conclusão do inquérito ou requereria que os áudios e conversas de aplicativo de mensagens fossem periciados; 

O Sr. Sebastião Figueiroa, de acordo com outras investigações das quais é pivô, faz parte do círculo estreito de relacionamento de pessoas ligadas ao PSB, partido que durante a disputa eleitoral para a Prefeitura do Recife, em 2020, realizou, contra mim, uma das mais vis e agressivas campanhas – baseadas em inverdades e fake news.

– Muito me admira que dois dias após ter estado cara a cara com o presidente da República e feito um discurso expressando minha opinião – e de muitos brasileiros – sobre seus desgovernos e descalabros, chegue ao conhecimento da imprensa informações sobre um inquérito está sob segredo de Justiça e que, infelizmente, se arrasta a passos de tartaruga e não possui embasamento probatório concreto nenhum. Nem law fare e nem qualquer outro tipo de perseguição política vão me intimidar ou arrefecer a minha luta em defesa do povo brasileiro.

– Minha família está sendo atacada, mas não revidaremos com a mesma moeda de nossos agressores. Responderemos da única forma que sempre fizemos: com a verdade e a transparência de quem sabe que está do lado certo da história”.