Polícia Civil realiza 2ª fase da Operação RIP STOP em Pernambuco

(Foto: PCPE/Divulgação)

A Polícia Civil de Pernambuco desencadeou na manhã desta quinta-feira (15), a Operação “RIP STOP 2”. A investigação foi iniciada em outubro de 2020, com o objetivo de identificar e desarticular uma organização criminosa voltada à prática dos crimes de fraude em licitação e lavagem de dinheiro. A ação é vinculada à Diretoria Integrada Especializada (DIRESP) sob a presidência do Delegado Diego Pinheiro, Titular da 2ª Delegacia de Combate à Corrupção (2ª DECCOR) e integrante do Departamento de Repressão à Corrupção e ao Crime Organizado (DRACCO).

Estão sendo cumpridos dois mandados de busca e apreensão domiciliar, sequestro de valores e proibição da pessoa jurídica de participar de licitações, todos expedidos pela Vara Única da Comarca de Nazaré da Mata.

Em 2020, a Operação RIP STOP ocorreu nos municípios do Recife, Olinda, Paulista e Camaragibe, na Região Metropolitana do Recife, e em Petrolina, no Sertão. Na oportunidade, a AJS foi identificada como empresa de fachada e suspeita de fraudar licitações. O Tribunal de Contas do Estado (TCE-PE), que identificou uma licitação com indícios de fraude em Petrolina. A apuração verificou que houve uma simulação de concorrência de licitação com documentos falsos de empresas diferentes e um mesmo dono.

A partir daí, a polícia constatou que seriam cinco empresas de fachada com nomes de “laranjas”, mas que pertencem a um mesmo grupo empresarial. Também foi identificada atuação desse grupo nos quatro municípios onde os policiais cumprem mandados.

A operação de hoje conta com a atuação de 15 policiais civis, entre delegados, agentes e escrivães. As investigações foram assessoradas pela Diretoria de Inteligência da Polícia Civil de Pernambuco (DINTEL), contando também com a participação do laboratório de Lavagem de Dinheiro (LAB/DINTEL).

Os detalhes sobre esse novo desdobramento serão repassadas mais tarde em coletiva de imprensa.

Compartilhe:

Ouça nosso podcast: