Morador da zona rural de Santa Maria da Boa Vista clama por água: “Peço até pelo amor de Deus que mande um pipa d’água aqui pra nós”

Imagem Ilustrativa

As reclamações e cobranças por abastecimento de água feitas por moradores de diversas localidades do interior de Santa Maria da Boa Vista-PE, tem sido constante no Programa Nossa Voz da Rádio Boa Vista FM.

Há vários dias inúmeras cobranças são feitas por moradores alegando falta de abastecimento de água através de carro-pipa nas comunidades. Nesta quarta-feira (31), o morador do Sítio Mocó, da Fazenda Jatubarana, José Expedito de Souza, clamou mais uma vez por água.

“A gente necessita muito de água pra beber, antes da eleição minha cisterna era abastecida, depois que passou a eleição nunca mais eu vi um carro-pipa passar nem em frente a minha casa. Comprava uma carrada por 250 reais, hoje já compro por 300 reais, já não tenho mais condições de tirar o dinheiro da minha feira para comprar um pipa de água aqui pra casa. Tem uma água num riacho aqui mas é pura lama, lama grossa e muito salgada que não tem quem aguente beber, se eu der uma água dessa pra o recém-nascido de dois meses, tenho medo de matar a criança, é muito forte, muito salgada. Quero saber do senhor prefeito, secretário, vereadores, se têm condições de me ajudar mandando um pipa d’água, se os senhores não tiverem condições de mandar de jeito nenhum, por gentileza me desengane logo, o que só temos que fazer é se ajoelhar no chão e rezar. Peço até pelo amor de Deus que mande um pipa d’água aqui pra nós”, clamou o ouvinte.

Seu José Expedito destacou ainda que chegou a se desfazer de galinhas para tentar juntar o valor da carrada de água, “vendi uma carroça de burro, vendi dez galinhas que eu tinha, mas não cheguei a fazer 300 reais. Mês passado tirei o dinheiro da feira, esse mês a cisterna já rapou, já lavei e peguei um pouco de água do riacho, mas a água é muito grossa, verde e muito salgada, quando a gente bate a água na barriga começa a tremer a tripa, por dentro começa a roncar e não tem ser humano que aguente”.

Logo após a participação do senhor José Expedito, vários outros ouvintes de outras comunidades também cobraram por água. Ana Patrícia, da Fazenda Riacho do Meio, chegou a dizer que estariam abastecendo as cisternas somente dos eleitores que votaram no prefeito George Duarte. A fala foi contestada por Gilmar, responsável pelo abastecimento de água na comunidade, que rebateu dizendo que o carro-pipa teria quebrado e em breve retomaria o abastecimento na região.

Em recente participação no Nossa Voz, o secretário de agricultura do município, Valmir Guimarães, justificou a deficiência do abastecimento de água por conta da pouca quantidade de carro-pipa.

Compartilhe:

Ouça nosso podcast: