Fiocruz negocia com MSD possibilidade de produção de pílula contra a Covid para o SUS

0
9
Foto: Divulgação, Merck
Foto: Divulgação, Merck
Foto: Divulgação, Merck
Foto: Divulgação, Merck

Está em negociação a possibilidade de a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) ser a produtora produzir para o SUS do antiviral molnupiravir, desenvolvido pela farmacêutica MSD e apontado como uma das apostas de tratamento nos primeiros dias de sintomas da Covid-19.

Um ensaio clínico da farmacêutica Merck, responsável no Brasil pela marca MSD, identificou que o medicamento molnupiravir reduziu o risco de hospitalização ou morte pela metade quando administrado em pessoas do grupo de risco e no início dos sintomas. O medicamento é administrado em quatro cápsulas, duas vezes ao dia, durante cinco dias e foi desenvolvido para impedir a replicação do coronavírus.  

De acordo com a Folha de S. Paulo, a Fiocruz ainda está discutindo os termos do acordo com a empresa e aguarda estimativa do Ministério da Saúde sobre a demanda pelo medicamento.

A ideia é fabricar o medicamento em Biosmanguinhos, uma unidade da Fiocruz, no Rio de Janeiro. A reportagem ressalta que a fundação disse que “está em conversas avançadas” com a MSD “para definir a melhor forma de acesso à população brasileira e um modelo de cooperação técnica”.

O Ministério da Saúde ainda não definiu se o medicamento será distribuído no SUS. A pasta espera aval da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para uso emergencial ou registro definitivo da pílula. Após essa etapa, a Conitec (Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS) ainda deve avaliar se o produto será ofertado na rede pública.

A Folha ainda traz que as negociações entre a fundação e a MSD sobre o molnupiravir incluem a possibilidade de estudos para avaliar a ação da pílula contra outras infecções virais, como dengue e chikungunya.

No mundo dois estudos de fase 3 sobre o antiviral estão em andamento a fim de verificar a eficácia do produto. No estudo mais adiantado, conduzido também no Brasil, a análise interna dos dados demonstrou redução do risco de hospitalização ou morte.