Em seminário rural, Miguel Coelho afirma que agricultores estão esquecidos pelo Governo do Estado

0
12

Convidado pela Organização da Luta na Cidade e no Campo (OLC), o prefeito Miguel Coelho participou, nesta terça (14), em Caruaru, de um seminário sobre agricultura familiar. O encontro reuniu representantes de assentamentos rurais de cerca de 30 cidades pernambucanas para debater ações que possam oferecer água, infraestrutura e habitação ao povo do campo.

A carência de investimentos do Governo do Estado para o setor rural foi um dos pontos mais questionados no evento. O prefeito de Petrolina cobrou maior atuação do poder estadual no apoio técnico e na segurança hídrica. Miguel fez duras críticas à falta de água e às condições de abandono nas estradas da zona rural de Pernambuco. “Não tem nem carro pipa. As estradas estão destruídas. Em Petrolina, a prefeitura há anos tem que fornecer esse tipo de apoio básico que o Governo do Estado não oferece, contratando carro pipa e recuperando as estradas pernambucanas”, completou Miguel.

Na avaliação do prefeito, os trabalhadores do campo estão esquecidos, sem políticas públicas concretas e permanentes. “Pernambuco está parado. É hora de acabar com a política que só chega na hora da eleição. O nosso Estado precisa de políticas públicas todos os dias, na safra e na entressafra, na seca e na cheia. Não adianta agora anunciar um monte de projetos, que só ficam no papel e o Pernambuco de verdade a gente encontrar abandonado”, criticou.

O encontro foi acompanhado também pela prefeita de Bezerros, Lucielle Laurentino, e pelo deputado estadual Antonio Coelho. O líder da oposição na Assembleia Legislativa reforçou o tom das críticas do prefeito de Petrolina, ressaltando a ausência do estado em oferecer oportunidade de acesso a áreas chaves da agricultura, como crédito, tecnologia e irrigação. “Precisamos trabalhar para modernizar a agricultura de Pernambuco”, assinalou o parlamentar, afirmando ainda que levará o tema ao senador Fernando Bezerra e a todos aqueles interessados em apostar em um novo momento para o Estado. “Vamos buscar os recursos para financiar novas iniciativas, novos projetos estruturantes nos assentamentos”, assegurou o parlamentar.